Blog

Multiple Views com Spring Web MVC

Uma das vantagens de utilizar a arquitetura do Spring para implementar projetos Web, é fazer uso do Sprin-WEB-MVC. Quem já usou sabe que isso é uma vantagem a se considerar quando for feita a escolha das tecnologias e frameworks que serão utilizados no projeto.
Spring WEB-MVC é uma abstração poderosa para a camada de apresentação, tornando muito flexí­vel o uso de diferentes tipos de tecnologias no frnt-end da aplicação.
Veremos uma dessas abstrações que ajudam a modularizar e simplificar nosso trabalho do lado do servidor: Views.
Continue Lendo

jQuery: Compatibilidade de CSS com utilização de cssHooks.

Introdução

Um desafio de todo desenvolvedor html é manter o seu site compatí­vel com todos os browsers ( em especial o Internet Explorer ), devido as limitações e detalhes na implementação de cada um, isso é um fato inegável, e qualquer um que ja tentou um dia desenvolver alguma coisa em html sabe disso.

Em projetos pequenos podemos tomar conta disso sem a necessidade de nenhuma ferramenta extra, entretanto com o crescimento do projeto a tendência é que estes trechos de códigos para manter a compatibilidade fiquem tão grande quanto o código do próprio site em si, tornando difí­cil de manter e etc.
Continue Lendo

JodaTime – Java Date que funciona!

JodaTime

Não existe segredo quando se fala da implementação de datas no Java: é ruim de usar. Alguns chegam a dizer que é errado usar inclusive, mas não serei tão extremo.
A API de datas do Java é ruim por vários motivos, como por exemplo, é mal documentada, não é Thread Safe, é difí­cil de manipular datas, e o comportamento nem sempre é o esperado.
Vamos ver como susbtituir a API de datas que vem Out of the Box no Java, por uma mais efetiva, amigável e confiável: JodaTime.
Continue Lendo

Spring 3.1 RC1 – @Configuration

Spring @Configuration

O que há de novo

Para habilitar certas funcionalidades do Spring que envolvem AOP, era preciso escrever tags XML como por exemplo context:component-scan para especificar os pacotes em que o Spring pode buscar por beans anotados com @Component, @Repository ou @Service.
Na versão 3.1 foram disponibilizadas as mesmas funcionalidades via anotação. São elas:

1
2
3
4
5
6
7
8
org.springframework.context.annotation.Configuration
org.springframework.context.annotation.ComponentScan
org.springframework.context.annotation.EnableLoadTimeWeaving
org.springframework.context.annotation.EnableAspectJAutoProxy
org.springframework.scheduling.annotation.EnableScheduling
org.springframework.scheduling.annotation.EnableAsync
org.springframework.transaction.annotation.EnableTransactionManagement
org.springframework.web.servlet.config.annotation.EnableWebMvc

Vamos abordar o caso básico, pois o resto é bem similar.
Continue Lendo

AMFRestfull: Um back-end para qualquer front-end

Olá pessoal, tudo bom?

Primeiro que estou contente por esse ser meu primeiro post no blog da DClick.
Segundo que este é o meu primeiro screencast da carreira. Ainda preciso melhorar muito, mas espero que gostem.

Pensem em um back-end Java que independa de front-end. Em uma arquitetura de serviços: RestFull.
Até então, nada de novidade, já que RestFull é algo ‘antigo’ quando se usa outputs em XML ou JSON. Mas e outputs em AMF??? Isso sim é novidade, e é isso que estarei demonstrando para vocês:

E então, alguém sabe os dois grandes problemas em usar/manter isso em um projeto “pra valer”?
Não percam a continuidade aqui!

Código fonte do projeto Java/Flex:
https://github.com/mariojunior/amf-restfull

Abraços galera!

Conhecendo o LESS. The Dynamic Stylesheet.

Como todos devem ter percebido, nos últimos meses o CSS3 e o HTML5 tem ganho um grande destaque no desenvolvimento web. Grandes empresas como o Google, Microsoft, Adobe e Apple estão apoiando fortemente o desenvolvimento web utilizando WebStandards. Caso você já conheça algo sobre CSS, provavelmente deve saber como é complicado a organização desses documentos em um projeto de médio ou grande porte. Dado esses problemas conhecidos, foram surgindo os chamados pré-processadores de CSS, que viabilizam a criação de documentos de estilo, adicionando novas funcionalidades.
Continue Lendo

Spring 3.1 RC1 – Cache Abstraction

Spring Cache Abstraction

Abordamos um das novas funcionalidades do Spring 3.1 RC1, profiles e environments. Ainda existem outras funcionalidades, mas hoje iremos dar uma olhada em Cache Abstraction.

Cache Abstraction é literalmente uma abstração out of the box para adicionar uma camada de cache sobre seus beans, usando uma arquitetura AOP para gerenciar o que deve e o que não deve ser feito o cache.
Usar a nova camada de cache é muito fácil se você já está habituado com Spring, e veremos uma das diferentes maneiras de configurar seus beans.
Continue Lendo

Spring 3.1 RC1 – Profiles

Profiles e Environments no novo Spring 3.1

A SrpingSource adotou a estratégia de soltar mais versões do Spring com mais velocidade e escopos de funcionalidades menores.
Seguindo tal estratégia acabou de sair do forno o primeiro release candidate da versão 3.1 do framework.
Para uma estratégia de escopos menores, até que tiveram bastante trabalho e adicionaram várias novidades. Vamos cobrir as novidades aos poucos, começando com uma muito interessante: Profiles e Environments.

Especificando Profiles nos Beans

A idéia de um profile é simples. Um profile define um escopo, envirnmente como é chamado no framework, em que certos beans estarão disponíveis e outros não.
Imagine que você precisa de uma conexão com o banco de dados de testes, que é diferente do banco de dados de desenvolvimento. Com profiles podemos definir um data source do profile de desenvolvimento, e outro do profile de testes, instanciando o correto de acordo com o ambiente que a aplicação irá rodar.
Continue Lendo